Avaliação de desempenho do servidor deve ser para premiar e não punir

O deputado Arthur Maia (DEM-BA), relator da reforma administrativa, defendeu que a política de avaliação de desempenho dos servidores públicos tenha foco em premiar os bons funcionários, e não um caráter punitivo a quem tiver má avaliação. Mais do que a punição, a avaliação de desempenho tem que ser no sentido de promoção, de premiação, e não de punição. Nós temos que premiar o sujeito que desempenha um bom papel. E aquele que não desempenha o bom papel? Na avaliação de Maia, é mais desestimulante ao bom servidor receber as mesmas promoções do colega que tem mau desempenho apenas porque a progressão da carreira pública ocorre por tempo de serviço.

Maia elogiou o modelo dos Estados Unidos, que prevê um trabalho específico de recuperação do servidor que é mal avaliado, buscando capacitá-lo para o serviço público.

Uma das mudanças propostas na reforma administrativa é acabar com as progressões e promoções automáticas, apenas por tempo de serviço. O novo modelo prevê que o futuro servidor só vai crescer na carreira com base na entrega de resultados e avaliação de desempenho.

Essa avaliação já está prevista na Constituição, mas depende de uma lei complementar para ser regulamentada – o que não ocorreu até hoje. Apesar de algumas propostas já terem iniciado tramitação no Congresso, nenhuma foi adiante. O governo já sinalizou que, após a aprovação das mudanças constitucionais desta reforma administrativa, deve enviar um projeto de lei para nortear os critérios de avaliação do funcionalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =