Nota de Repudio: O povo não quer resto de comida! O povo quer dignidade!

O SINDSEP-MG repudia a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, que acredita que política pública de combate à fome é dar sobras de comidas ou com validade vencida aos milhares de brasileiros famintos.

Os brasileiros nunca passaram por tempos tão difíceis. A  população está desalentada, empobrecida, passando fome, sem uma renda mínima que garanta as despesas básicas como moradia, transporte e alimentação. Depois de 10 anos, o país voltou ao mapa da fome.

Insensível a toda essa tragédia enfrentada pelos brasileiros, no último dia 17/06, durante participação no Fórum da Cadeia Nacional de Abastecimento, promovido pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a utilização de sobras de pratos de comida como política de enfrentamento à insegurança alimentar que assola o Brasil. “Aquilo dá para alimentar pessoas fragilizadas, mendigos, pessoas desamparadas. É muito melhor que deixar estragar”, afirmou o ministro, representante de uma elite que desconhece a fome e trabalha para a manutenção da pobreza, da escassez e da retirada de direitos.

Pra completar o terror, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, concordou com a necessidade de novas medidas regulatórias para soluções voltadas ao combate à fome. Entre elas, estaria a possibilidade de comprar alimentos fora da validade. Para esse governo, não basta impor a fome a milhões de brasileiros, aumentar o preço da carne, do gás de cozinha, encher nossa comida de agrotóxicos. É preciso tripudiar da privação da população pobre desse país.

Em sua fala, Guedes também mencionou a desoneração da mão de obra como uma das possíveis soluções para a criação de empregos. “E, para isso, é preciso ter mão de obra barata. O Brasil tem uma arma de destruição em massa de empregos, que são os encargos sociais e trabalhistas, nós precisamos atacar isso. Ele também classificou o governo como uma “equipe muito unida”, que trabalha para tentar manter a cadeia produtiva funcionando. O ministro afirmou ainda que o governo precisa apoiar tanto o abastecimento, como também a compra pela pequena agricultura familiar. Mas quer vender a Ceasaminas. Com a privatização, os preços dos alimentos vão disparar! O pequeno produtor vai perder espaço, os alimentos ficarão mais caros, milhares ficarão desempregados, insegurança alimentar, perda do poder de compra da população, queda na qualidade dos produtos. E no final das contas, a população é quem pagará o preço!

Além disso, Guedes disse que o Brasil precisa focar em energia e infraestrutura de transportes para acelerar o escoamento da produção. “Precisamos de novos marcos regulatórios de ferrovias, cabotagem, para aumentar a exportação. Na pandemia, nossas exportações caíram para o resto do mundo, mas subiram para a Ásia. Precisamos de logística para levar nossos alimentos para o resto do mundo.” Enquanto o Brasil exporta sua produção para o mundo, mais de 125 milhões de brasileiros vivem atualmente sem a certeza de um prato de comida na mesa, esmagados por uma política econômica excludente  que ignora os mais pobres, reduz o atendimento público, mas beneficia os mais ricos e vende o Estado brasileiro para a inciativa privada.

É por tudo isso que temos de voltar às ruas nesse sábado, 19 de junho! Não dá mais para aguentar Bolsonaro e seu desgoverno que só querem destruir o nosso país!

Fora Bolsonaro! Fora Guedes! O povo não quer resto de comida! O povo quer dignidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + nove =