Ebserh: Trabalhadores de Minas Gerais decidem entrar em greve a partir de 13/05

Seguindo deliberação da Plenária Nacional da categoria, realizada no último dia 27/04, os trabalhadores das unidades da Ebserh, em Minas Gerais – Belo Horizonte, Juiz de Fora, Uberaba e Uberlândia – reunidos em assembleias nos dias 06 e 07 de maio, decidiram, por ampla maioria, deflagrar um movimento paredista a partir do dia 13/05 – próxima 5ª feira.

A decisão foi tomada tendo em vista o impasse nas negociações do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria que se arrasta há mais de um ano, sem qualquer perspectiva de avanço. Mesmo o ACT tendo sido enviado a dissídio e, atualmente, estar sendo mediado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Ebserh segue desrespeitando seus (as) trabalhadores (as) das mais diversas formas e se utiliza de várias justificativas para travar as negociações com os trabalhadores.

Primeiro, alegou a pandemia do coronavírus para adiar o início das negociações. Depois aproveitou-se da aprovação da Lei Complementar nº 173/20 para afirmar que, por causa da referida lei não poderia conceder nenhum reajuste, sendo que a data-base dos trabalhadores é anterior à aprovação da LC 173/20.

A empresa ainda propõe 0% de reajuste e mudança na base de cálculo do adicional de insalubridade que pode representar uma redução de até 27% na remuneração dos (as) trabalhadores (as). Isso sem falar que, das 65 cláusulas constantes da pauta de reivindicações da categoria, a empresa simplesmente, recusa 52 delas.

Não bastasse, no último dia 30/04, a Ebserh deu a maior prova de que não está nem um pouco preocupada em resolver o impasse ao pedir, ao TST, a prorrogação das cláusulas do ACT por mais 30 dias.

Reivindicações específicas

Além das reivindicações gerais, os trabalhadores de Uberaba, lotados no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM) listaram outras questões específicas da unidade como motivos adicionais para a greve dos (as) trabalhadores (as) tais como: corte da insalubridade, instalação de pacientes em macas no corredor do Pronto Socorro; salas de emergência sendo utilizadas como como enfermarias,  falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e dimensionamento de pessoal nas escalas. Os (as) trabalhadores (as) reivindicam ainda que seja realizado um processo eleitoral democrático na escolha da Divisão de Enfermagem. E que haja a unificação da luta dos trabalhadores da Ebserh com os demais servidores públicos do Hospital de Clínicas – técnicos administrativos das universidades.

O abono de 02 (dois) dias para todos aqueles que requereram foi uma reivindicação unânime nas assembleias de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Uberaba e Uberlândia.

Escalas e Comando de Greve

Representantes do SINDSEP-MG e do Comando de Greve solicitaram reuniões com as superintendências das unidades da Ebserh, em Minas Gerais, para tratar da construção das escalas de trabalho e a manutenção dos serviços essenciais e inadiáveis a população. Em Juiz de Fora, a reunião com o Superintendente do HU-UFJF foi agendada para o dia 11/05 (3ª feira), às 9h. E em Uberlândia, a reunião com o Superintendente do Hospital de Clinicas da UFU, acontece no dia 11/05, às 11h. O Sindicato aguarda ainda a confirmação das reuniões solicitadas com as superintendências dos hospitais de Belo Horizonte e Uberaba.

Foi deliberado também, nas assembleias, a indicação de representantes para Comando de Greve das unidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora e Uberlândia. Em Uberaba, Eliseu da Costa Campos e Clésia Oliveira foram os eleitos.

VAMOS MOSTRAR À EBSERH QUE QUANDO OS (AS) TRABALHADORES (AS) SÃO DESRESPEITADOS ELES (AS) RESPONDEM COM LUTA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + um =