Reunião com administração da Ebserh frustra e impasse pode levar à greve

Frustração. Essa foi a sensação dos representantes da Condsef/Fenadsef, Fenafar, Fenam e CNTS após reunião com a Ebserh, no dia 29/04. As entidades haviam solicitado a presença do presidente da empresa, general da reserva do Exército Brasileiro, Oswaldo Ferreira, o que não aconteceu.

Há mais de um ano, o impasse se instalou no processo de negociações do ACT 2020/2021. Isso porque, de um conjunto de 65 cláusulas apresentadas pela categoria, a empresa mantém rejeição a 52 itens.

Não bastasse rejeitar quase toda a pauta de reivindicações dos trabalhadores, a empresa quer impor reajuste zero nas cláusulas econômicas e mudar a aplicação da regra para o grau de insalubridade dos empregados, o que pode reduzir salários em até 27%.

O ACT 2020/2021 está no Tribunal Superior do Trabalho (TST). É a sétima vez, que por causa de impasses entre os trabalhadores e a Ebserh, o processo de negociação é enviado para mediação no Tribunal.

No próximo 03/05, as entidades que participam na mesa de negociação farão uma reunião ampliada para discutir a data de uma nova plenária nacional, antes do dia 10 de maio, data em que  a categoria deve discutir se mantém o indicativo de greve e define os rumos do processo de mobilização.

A expectativa é de que a empresa apresente uma nova proposta como sinalizou na reunião com as entidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − cinco =