Número de novos servidores federais é o menor em 20 anos

A quantidade de servidores estatutários que ingressaram no governo federal em 2020 foi a menor em 20 anos. No ano passado, 6,7 mil pessoas foram admitidas, número tão baixo não era registrado desde 2001, quando as contratações chegaram a 1,9 mil. Em comparação com 2019, com 13,4 mil admissões, houve queda de 49,8%.

Os dados refletem diretamente a política de ajuste fiscal permanente, iniciada em 2015. Essa situação, com certeza, vai piorar com o teto de gastos e a PEC emergencial. A Constituição de 1988 garantia o financiamento das políticas sociais, mas atualmente, o objetivo é canalizar os recursos do Orçamento Público para o pagamento de juros e amortização da dívida pública, diminuindo o tamanho da dívida brasileira.

O congelamento na evolução dos gastos primários se reflete diretamente na contratação de servidores. A gente vê as consequências na prática: concursos públicos suspensos e a não reposição de aposentadorias. A população fica refém de um estado mínimo para atendimento das suas necessidades.

O preço da redução de quadros é a ausência do Estado ou a precarização de serviços públicos em áreas essenciais, a exemplo do que ocorre no INSS em relação às concessões de benefícios previdenciários, entre outros.

O secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sergio Ronaldo, apontou que o número baixo de ingressos leva a uma diminuição líquida no total de funcionários públicos. “De acordo com alguns estudos, para repor todos os servidores estatutários que se aposentaram ou faleceram nos últimos anos, seriam necessárias 200 mil admissões. A quantidade atual está muito distante desse número. Ano passado, as reposições necessárias foram feitas por contrato temporário”, assinala.

A situação pode piorar ainda mais com a reforma administrativa. “O sistema de saúde está em colapso, faltam médicos, vacinação está a passos lentos, e mesmo assim a prioridade desse governo é a PEC emergencial e a PEC da reforma administrativa. Na prática, querem acabar com concurso público e estabilidade do servidor”, enfatiza o economista.

A proposta de reforma administrativa defendida pelo governo restringe a estabilidade do servidor público às carreiras típicas de estado. Uma lei complementar definiria que carreiras se enquadrariam nesse critério. Ao todo, ela altera 27 trechos da Constituição Federal e acrescenta outros 87.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três − 1 =